Respeito às Artes Plásticas

Respeito às Artes Plásticas

Artigo escrito em agosto de 2010

Mogi das Cruzes é uma cidade com tradições nas artes plásticas, embora grande parte dos mogianos não a conheça ou não valorizem. Começamos com a iconografia dos Bandeirantes que esta baseada pela pintura de Jean Baptiste Debret na obra “Soldados índios de Mogi das Cruzes combatendo os botocudos”, publicada em seu livro “Viagens pitoresca e histórica ao Brasil” de 1835. O que é considerado a única referencia do vestuário dos Bandeirantes, onde aparece o gibão que figura em nosso Brasão.

A imortalização das bandeirinhas de  Volpi, inspiradas nas festas de São João de Mogi, o artista Chang Dai-Chien, que viveu na Cidade, cuja vida e obra foram uma a imagem da outra, colocando suas obras expressionistas entre os maiores pintores chineses. Existem tantos outros artistas plásticos que viveram e ainda vivem em Mogi, e que fizeram suas expressões ultrapassarem as fronteiras da cidade e do país.

 Artistas que vivem no anonimato da Cidade fazendo sucesso no exterior e que nem mesmo a Secretaria de Cultura e seus departamentos sabem.

Entendemos que por mais que haja esforços por parte da Secretária da Cultura, ela não consegue atingir a classe dos artistas plásticos da Cidade, pois como sabemos, existe a falta de uma Política Cultural ampla e a falta de escutar e executar as determinações do Conselho de Cultura Municipal constituído, fazendo com que alguns segmentos das artes fiquem as margens do processo cultural e artístico da Cidade.

Considerando que a administração esta em contagem regressiva para os 450 anos da Cidade, é importante o resgate dos artistas plásticos que por aqui passaram ou viveram, atendendo as reivindicações dos artistas por um local especifico para exposições das artes plásticas.

A Criação de uma Pinacoteca Municipal, que é um local específico para exposições de artes plásticas na Cidade, é o desejo dos artistas, dos cidadãos e uma obrigação moral para a Administração executar nas comemorações dos 450 anos.

Paulo Pinhal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *