SESC – Onde amarrar o burro ?

SESC – Onde amarrar o burro ?

No começo do século passado, em Mogi das Cruzes, lá pelos anos 1901, tinha um terreno que ficava nos arredores do Convento do Carmo e Igreja, onde era comum o pessoal amarrar cavalos e burros.

Dizem que houve manifestos, pois no local onde paravam os animais, um grupo liderado pelo Capitão Joaquim de Mello Freire, resolveu mediante uma sociedade de ações, a construção de uma casa de espetáculos adequada para estes fins. Com o terreno cedido pela Câmara Municipal, nascia assim o Theatro Vasques com o apoio financeiro do comerciante, Sr. Olegário Paiva.


O Theatro Vasques teve seus dias de auge, e por falta de uma Politica cultural, caiu em desuso, onde em 1906 já se pensava em dar outro destino para aquele espaço. Em 1908 se transformou em um Cinematografo Kaurt, com poucas peças, em 1922 veio Companhia Nacional de Ópera Lyrica, que também não vingou e depois em 1927, começaram os shows musicais com cantores como Vicente Celestino, Celeste Reis e outros, entrando novamente em decadência. Em 1935 se transforma em Paço Municipal, funcionando a Câmara Municipal até 1937, fechada e reaberta novamente em 1948 como Câmara Municipal.

Resumindo, Mogi das Cruzes ficou de 1935 até 1980 sem um Teatro Municipal.
Faço um paralelo entre as histórias Theatro Municipal e SESC, pois a promessa da vinda do SESC para Mogi das Cruzes representa um instrumento que tem Politicas Culturais há décadas. O que difere de nossa cidade que nos últimos anos, por falta desta Politicas Cultural, muitos projetos acabaram ficando pelo caminho. Já estamos acostumados a ver a Secretaria de Cultura ser um espelho de seu Secretario.


Hoje temos o competente Secretario Mateus Sartori que deu outro ritmo e impulso para a Cultura de Mogi das Cruzes, mas o que acontece quando ele não estiver mais a frente da Secretaria. Não sabemos e nem temos garantias de nada, por falta de pratica de Politicas Culturais.


Com relação ao local do SESC, vejo como uma escolha técnica, levando em considerações a facilidade de acesso do transporte público e serviços oferecidos na região. Torço para que venham logo, pois será um grande aliado para que possamos implantar Politicas Culturais eternas.

Paulo Pinhal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *